Por que não?!

Por momentos ficava imaginando o que poderia acontecer… e limitava-me a pensar nas coisas ruins a frente. Depois de um tempo, fui deixando as boas vibrações fluir nos meus pensamentos para entender que devia “parar de pensar no que tinha a perder e pensar no que tinha a ganhar”: viver. Por que não aceitar dançar,…

Aquela fração de felicidade…

É curioso como a felicidade, Surgindo de forma inesperada, Se manifesta e reina com naturalidade, Em quem até bem pouco tempo, Sofria com o peso da responsabilidade. Ela nos convida com sinceridade, E com leveza seduz para novas aventuras, Misturando coragem e beleza, Com o calor da gentileza, Para não perder a graça de viver,…

A dança não conhece forma ou limite

Como é curioso o ser humano, Embriagado pelo álcool e pela alegria, Quando se propõe a dançar, Tomado de euforia! Não existe tristeza nem cor de pele, Tampouco vontade que espere, Quando o desejo começa a aflorar, Fazendo o corpo pulsar, E despreocupadamente, transpirar! A dança não conhece forma, Não tem preconceitos nem normas, E…

Todo mundo tem um “mundinho” particular!

Um turbilhão. Uma confusão. Um ato intimista. Todo mundo tem um “mundo” particular… Para chamar só de seu, Onde se vive o essencial, De maneira bem especial, Mas que volta e meia, Precisa se isolar. Interpretações. Desejos. Inconsistências. Todo mundo tem um “mundo” particular… Com frações de loucura, E doses exageradas de bravura, Que sempre…