Não ter pressa para crer nem para querer.

Conhece-se a maturidade de uma pessoa por sua demora em crer. Se a mentira é ordinária, a crença deve ser extraordinária. Conclusões apressadas facilitam o engano.

Mas não se deve dar expressão à dúvida na boa-fé de outra pessoa; mais que uma descortesia, pode ser uma afronta, pois coloca quem o faz ou na condição de enganador ou na de enganado.

E esse não é sequer o inconveniente maior, que aqui está: não crer é indício do hábito de mentir, uma vez que o mentiroso tem dois males: não acredita e não é acreditado.

Quem é sensato não tem pressa em julgar o que escuta.

E merece lembrança o que diz: “É também um tipo de imprudência a facilidade no querer”. Quem mente com a palavra mente também sobre as coisas que vê e que faz; esse é o caso mais grave pelas possíveis consequências.”

Baltasar Gracián, do livro “A arte da prudência”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.