O mundo do cinema: desafios, jornada e superação no filme “Mar de fogo”

Eu acredito que todo mundo, em algum momento da vida, vai busca se conectar mais consigo mesmo (a) e com seu eu interior para dar significado a própria existência, e quem sabe até, ressignificar algumas coisas. É uma maneira de elevar nossa maturidade e de enxergar com mais leveza os acontecimentos da vida.

É possível perceber um pouco desse contexto e aspectos de superação no filme “Mar de fogo”. A história, baseada em fatos reais, mostra a jornada de Frank Hopkins (interpretado por Viggo Mortensen, de “O senhor dos anéis”, “Capitão Fantástico” e “Marcas da violência”), um caubói conhecido por vencer corridas de cavalo. Frank vive um certo dilema na vida: estar em contato com suas origens indígenas e viver uma vida de aparências. Esse dilema também ficou mais evidente depois de uma tragédia vivida (sem spoiler).

Como a fama de vencedor de corridas era grande, Frank recebeu um convite para participar de uma corrida com os melhores cavalos árabes, atravessando o deserto em mais de 3000 milhas (4828 km, aproximadamente). Era uma corrida traiçoeira, cheia de perigos e armadilhas (naturais e postas pelo homem). Frank, que era visto com um estrangeiro infiel, participava da corrida para pagar uma dívida e libertar os cavalos selvagens que seu povo tanto respeita, mas recebe convites para desistir de Lady Anne (Louise Lombard, de “Uma questão de família”, “Gold in the Streets” e “C.S.I”), que é obcecada pela vitória e deseja alcança-la de todo jeito.

O filme ainda conta com a participação de Saïd Taghmaoui (de “G.I – a origem cobra”, “John Wick 3” e “O ódio”) interpretando o príncipe Bin Al, que corre o cavalo do Sheikh Riyadh (interpretado por Omar Sharif, de “Uma amizade sem fronteiras” e “13º guerreiro”), Peter Mensah (de “Avatar”, “Lágrimas do sol” e “300) interpretando Jaffa, servo do Sheikh, e Zuleikha Robinson interpretando a Jazira, filha do Sheikh.

Existem críticas ao filme devido a uma distorção da história e ao uso dos clichês durante a narrativa – fato que para alguns tornou uma história que seria única, em algo comum. Independente disso, a história envolve os desafios de uma jornada, a busca constante pela superação e a valorização das origens como meio do ser humano achar sua identidade própria. O filme está disponível na Netflix.

Filme: Mar de fogo.

Direção: Joe Johnston.

Duração: 2h e 16 minutos.

Ano: 2004.

Paz e bem.

Por Ricardo Verçoza – Professor e Escritor.

Siga o blog nas redes sociais!

Instagram: @pensebem.blog

Facebook: blog.pensebem

Twitter: @Blog_PenseBem

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.